Como ajudar as nossas crianças a enfrentar o luto
Recentemente passei por uma situação muito difícil, a perda de uma pessoal muito querida e que fez parte da minha infância. Me deparei com o fato de ter que falar sobre esse tema tão delicado com...

Leia mais

Coisa de menino e coisa de menina
Uma menina gostar de azul tudo bem! Mas e um menino gostar de rosa? Conheço muitos pais que vão responder: – Ah, não… Rosa meu filho não vai vestir! Assim como já ouvi: – Essa b...

Leia mais

Toda criança precisa de Ninho
  Você já deve ter visto um ninho de passarinho de perto. Melhor ainda se conseguiu acompanhar todo o árduo trabalho desses pequenos seres para construir um lar para seus filhotes. Eles trazem...

Leia mais

Criança e Agressividade
Ruiva, cabelo encaracolado e cheia de personalidade. A mãe descreve assim a filha de menos de três anos. A pequena é independente, quer escolher a roupa (não importa se o termômetro marca 17 grau...

Leia mais

O momento de tirar a fralda
  Seu bebê está crescendo, adquirindo cada vez mais autonomia e você percebe que está na hora de deixar a fralda pra trás. O período do desfralde indica o início da maturidade na criança....

Leia mais

images

Para auxiliar pais, avós, professores e cuidadores de crianças nessa faixa etária (dos 7 aos 14 anos), estou preparando com muito carinho um ENCONTRO SOBRE O SEGUNDO SETÊNIO.

Quando a criança deixa o primeiro setênio, aos sete anos, ela se transforma. Surgem novos interesses, novas brincadeiras. As exigências aos pais são outras. Como dar limites nessa idade, como lidar com certos tipos de comportamento. A criança tem agora um pensamento mais crítico e um pezinho na puberdade e na adolescência.

E, bem no centro deste período, temos um momento importante: os 9 anos! Um relato comum nessa fase:

“Meu filho sempre foi um menino alegre e tranquilo. Tristeza, definitivamente, não era a praia dele. Até que um dia, perto de completar 9 anos, chegou em casa chorando. Mas chorando muuuito!…” O desenrolar dessa história conta a chegada do Rubicão na pré-adolescência.

(http://falandodainfancia.com.br/…/a-crianca-entre-9-e-10-a…/)

Se você está vivendo com seu filho ou filha essa fase ou sabe que logo logo ela chegará, essa Roda de Conversa é pra você.

O Encontro será no sábado, dia 06 de maio, das 9hs às 11h30. Os participantes farão uma vivência artística para acomodar esses conteúdos internamente.

Investimento R$ 120 por participante, casais pagam R$100,00 por pessoa.

Inscrições deverão ser antecipadas pelos telefones 3718.0209 e 3714.6341.
E-mail: ale.psi@ig.com.br

Local: Espaço Ita Wegman – Rua Professora Celina Sampaio, 44 – Vila São Francisco -São Paulo


0

Coisa de menino e coisa de menina

meninos e meninas

Uma menina gostar de azul tudo bem! Mas e um menino gostar de rosa?

Conheço muitos pais que vão responder:

– Ah, não… Rosa meu filho não vai vestir!

Assim como já ouvi:

– Essa brincadeira são dos meninos, você é uma mocinha! Não pode brincar disso!

Aí eu pergunto. Por quê?

Para a criança o rosa ou azul, assim como o verde e o vermelho não significam nada além de cores. Uma é usada pra pintar o céu, outra uma árvore, uma flor, uma porta… Quando criança diz que rosa é de menina e azul é de menino, pode ter certeza que o discurso não é dela. Não foi a criança que chegou a essa conclusão. Ela provavelmente ouviu isso de alguém e está reproduzindo.

Muitos pais quando vêem os filhos brincando com boneca ou quando pegam as meninas brincando de carrinho, se sentem incomodados. Entram na frente pra atrapalhar a brincadeira, fazem o que podem para acabar com a diversão que eles acreditam não ser saudável para o seu filho ou sua filha.

No consultório já vi isso algumas vezes. A cena quase sempre segue o mesmo roteiro: um menino pega uma boneca e começa a ninar, balançar. Rapidinho vem o pai ou mãe dizendo:

– Menino larga isso, vai brincar com outra coisa.

Quando a criança é pequena ela não faz essa separação de gênero (masculino e feminino), pra ela não existe diferença. E tem que ser assim mesmo. A menina quanto brinca de carrinho, por exemplo, está imitando a mãe ou o pai. Quando se diverte com a ideia de super herói que defende a cidade ou a humanidade toda,  acaba trabalhando internamente a questão da proteção, do pai protetor. Ela está imitando a realidade dela. Os meninos quando estão brincando de boneca estão reproduzido o cuidado que a mãe tem com ele, cuidar, trocar a roupa, ser carinhoso, estão aprendendo a cuidar do outro. Veja que exercício lindo.

Ouvi uma história que achei muito interessante. Um casal que tem dois meninos. Na casa deles, um festival de carrinhos, dinossauros, peças de montar, ferramentas de madeira. A mãe disse a uma amiga que pensava em comprar ou mesmo construir para as crianças um fogão de madeira pra aumentar o reportório de brincadeiras. Já que a mãe e o pai vão pra cozinham porque não permitir que os meninos também se interessem pelo ambiente. Não são essas brincadeiras que vão determinar lá na frente a sua opção sexual da criança.

As minhas duas meninas são bem diferentes. A caçula sempre gostou de bonecas. A mais velha, agora com 12 anos, até brincava, mas preferia as brincadeiras com bola, mais as que tinham movimento. Um dia ela me contou porque gostava mais de brincar com os meninos:

– Mãe, é que as brincadeiras deles são mais divertidas!

Vou dizer pra não brincar, que ela não pode? Claro que não!

Não sei se você já viu uma sala de jardim de infância Waldorf. Tem fogão, panelas, panos, bonecas, carrinhos e todos brincam. Um dia, todos cuidam do jardim; no outro, meninos e meninas dão um “brilho” na sala, limpando com panos as cadeiras, a mesa. A quarta-feira é dia de painço (servido no lanche em algumas escolas). É o dia preferido de muitas crianças, elas ajudam a preparar os acompanhamentos: salsinha, cebolinha, cenoura, azeitona e queijo. Não tem o que é de menino e o que é de menina, a brincadeira de preparar o alimento envolve todos.

Meu convite é para que sejamos mais leves nessa questão. Lembrar que não tem coisa de menino e coisa de menina. Tem coisa de criança. Que tal deixá-las brincar livremente?

 


0

Separação dos Pais – Um assunto delicado

pais-separados1

A separação dos pais é sempre um assunto difícil e delicado para toda a família. Mesmo nos casos em que ela acontece de forma amigável e, que o diálogo permanece, leva-se um tempo para as crianças se adaptarem ao novo modelo familiar.

Agora, imaginem quando o término dessa relação é algo turbulento e sem possibilidade de conversa entre os pais?

O mundo da criança que deveria ser colorido, torna-se cinzento, como se ela estivesse no meio de uma grande tempestade, ou seja, aquilo que poderia ser conduzido de uma maneira um pouco mais fácil vira um sofrimento além do que já existe.

Quando existem essas discussões, brigas e uma atmosfera “pesada” entre os pais, a criança se percebe no meio de tudo isso e muitas vezes ela sente-se responsável pela situação e na obrigação  de ter que cuidar destes adultos, ficam confusas e inseguras,  preocupadas em como se comportar e, no que vai falar perante o pai ou a mãe para não chatear um ou outro.

Existe uma maneira para se evitar esta situação! Sabemos que estes pais também estão machucados e magoados e que precisam de acolhimento, porém, existe algo maior que tudo isso: O AMOR QUE SENTEM PELO FILHO! E, por este motivo, precisam entender alguns pontos importantes:

O que aconteceu foi a separação do casal (homem e mulher), não a separação Pai e Mãe;

Os pais são as pessoas que os filhos mais amam nessa vida e, vão estar presentes nos momentos mais importantes dessa criança ou adolescente: nas decisões mais importantes, nas comemorações, nos momentos de alegria e tristeza;

Por estas razões e por outras que talvez tenha esquecido de colocar aqui, estes pais precisam minimamente se respeitar, colocar acima de tudo o amor que tem por este filho. Preservar um diálogo, para no mínimo entrarem num consenso sobre as coisas básicas que vão nortear a vida desta criança, como: limites, rotina, educação, orientações e etc. Não é fácil, mas, é necessário fazer um esforço para alinharem os cuidados com esta criança.

A criança que vivencia e percebe este respeito e esta possibilidade de conversa entre os pais, tende a se adaptar melhor à nova realidade, ela fica mais segura e feliz por sentir que é cuidada e amada por dois adultos que estão dispostos a percorrer este caminho da vida ao lado dela. Sim, mais uma vez repito: é difícil! Mas completamente possível quando começamos a olhar que esta criança depende do  amor e proteção do Pai e da Mãe  para que o colorido da sua infância permaneça.

 


agressividade-1

Nesta semana postei um artigo sobre a criança que está entre seus 9 e 10 anos de idade, algumas características comuns que acontecem nessa fase, o tal do rubicão, as crises, alguns comportamentos físicos que aparecem. (http://falandodainfancia.com.br/2017/03/02/a-crianca-entre-9-e-10-anos-de-idade/). Uma querida seguidora da página, fez um comentário bem interessante e importante sobre seu filho de 11 anos que está com um olhar bem crítico sobre as atitudes dos pais e sobre as situações.

Acabei não escrevendo sobre este aspecto, também importante,  para que o texto não ficasse muito longo e, para que olhássemos de uma forma mais geral sobre essa fase.

Porém, é fundamental conversarmos sobre esta característica presente nesta idade, vamos lá?

Nos primeiros sete anos da criança (podendo se estender até uns 8 anos ou antecipar para 6) ela vive em uma atmosfera de sonho, em que fantasia e imagina o tempo todo em suas brincadeiras. Ela imita e espelha os adultos que estão a sua volta, recebe o mundo através dos olhos da mãe. Esta situação de imitação e espelhamento, faz com que ela não se sinta “tão sozinha” no mundo, embora ela já tenha tido um início desta sensação de separação  lá nos 2 anos / 3 anos de idade.

Quando a criança adentra nesses 9 e 10 anos de idade, ela vivencia o seu eu mais intensamente, no âmbito dos sentimentos, acontece uma separação mais intensa entre ela e o mundo externo, a imitação e o espelhamento são deixados para trás e, ela começa a receber o mundo diretamente, sem mais esta “ponte” que seria a mãe.

Tudo isso, faz com que a criança tenha um Acordar para o mundo, o que faz aumentar a tendência a ficar mais crítica com as situações que a rodeia, despertando um questionamento interior e inconsciente, sobre as atitudes e comportamentos dos adultos a sua volta.

As regras precisam ser claras, não cabe ficar tentando “trapacear”, quando os pais dizem algo tem que tomar muito cuidado para não contradizer, pois eles estão mais despertos para isto e irão questionar. Dentro deles vive o sentimento de que os adultos sabem de tudo e que seus comportamentos devem sempre ser seguidos, agora, com este acordar eles vivenciam internamente este questionamento e estarão mais atentos para comprovar se isto é verdadeiro.

– Mas mãe, você não tinha dito que mentir era feio? Por que pediu para que eu dissesse ao telefone que você não estava, sendo que você está aqui?

– Mas pai, você não vive dizendo que o cigarro faz mal? Por que está fumando?

Estes são exemplos mais clássicos, mas com certeza já devem ter vivenciado outros.

A partir dessa idade, algo muito importante e bonito dentro do processo de crescimento da criança, acontece: o Acordar! Junto com ele vem esse posicionamento essencial para se colocar no mundo e, se separarmos a palavra acordar, teremos: A – Cor – dar: uma cor surge e se fortalece, que é o seu temperamento! A sua personalidade (que já vinha aos poucos) diante de lidar com as situações do mundo, agora ganha força. A sua cor, que podemos falar mais detalhadamente em outro artigo no futuro.

 


0

A criança entre 9 e 10 anos de idade

evy 9 anos

Minha filha mais velha sempre foi uma menina alegre e tranquila. Tristeza, definitivamente, não era a praia dela. Até que um dia, perto de completar 9 anos, chegou em casa chorando. Mas chorando muuuito! Disse que tinha se desentendido com  uma amiga e que tinham rompido a amizade. Chorou boa parte da noite, de verdade. Eu a acolhi, conversei com ela até que adormeceu com os olhos inchados de tanto chorar. Pouco tempo depois, lá estava ela aos prantos novamente:

– A Duda (a  irmã) não vai mais querer brincar comigo, eu briguei com ela.

Lágrimas e mais lágrimas.

A levei ao pediatra para uma consulta de rotina, que comentou que ela estava com carinha triste e começou a fazer perguntas:

– Como tá a escola?

– Mais ou menos.

– Como estão os amigos?

– Mais ou menos.

Tudo estava mais ou menos na vida dela! Estranho, esse não era o perfil dela.

Foi aí que entendi que ela estava passando pelo RUBICÃO!!!

Geralmente os pais ficam bastante preocupados com a chegada da adolescência (a partir dos 12 anos). Lêem a respeito e ficam imaginando como será essa fase. No entanto, acabam não percebendo o quão importante é o tempo que antecede a puberdade, exatamente entre os 9 e 10 anos de idade.

Vamos fazer um exercício de empatia, nos colocar no lugar das crianças. Para que elas passem por essa fase, elas precisam antes mergulhar pra dentro de si, visitar seu mundo interno, para depois ressurgir com um novo brilho, com um “colorido” diferente. Esta é uma fase de transição. Lembram da primeira vez que falamos do Eu, no texto “o que acontece com a criança entre os 2 anos e 3 anos de idade?” (http://falandodainfancia.com.br/2016/09/08/208/) Bem, agora esse Eu é vivenciado intensamente pela criança no âmbito dos sentimentos.

Percebemos uma mudança física com o crescimento do tórax. É nessa região que ficam órgãos importantes como o coração e os pulmões. Vamos atentar à fisiologia do pulmão. É nesse órgão que é feita a troca, entra oxigênio e sai gás carbônico. Agora falando no campo dos sentimentos, é aqui que a criança faz a troca com o mundo externo: recebe do mundo (inspiração), elabora internamente e devolve (expiração).

Nessa fase, a criança faz esse movimento sozinha, sem a ajuda do adulto. Lembrem-se que quando ainda é bem pequena, a criança vive a fase da imitação e que percebe o mundo através dos pais, agora essa interferência não ocorre mais.

O que ocorre é  uma preparação pra adolescência que será uma fase de turbulência e muita confusão. Quando seu filho (a) estiver vivendo isso, entenda como um pedido de “colo”, afinal acaba sendo um colo para receber a próxima fase que virá.

Ele (a) está se preparando para enfrentar o desconhecido. É um momento de mudança na vida da criança, ela vai deixar para trás a infância imaginativa e cheia de fantasias, para viver uma fase de brincadeiras mais concretas e com muita movimentação.

Algumas crianças sentem esta vivência mais intensamente, outras menos, mas em geral elas ficam mais caladas, mais melancólicas ou até mesmo mais agressivas. Outras características que também aparecem são algumas dores físicas como a dor de cabeça e dor de barriga e em volta dos olhos surge um arroxeado – olheiras.

Claro que temos que ficar atentos a outras situações externas a essa fase. Perceber se não há outra questão a ser olhada na escola e no ambiente familiar.

Precisamos cuidar dessa fase com muito carinho e respeito como sempre.

Já passei com a mais velha, que hoje está com 12 anos e agora, cá estou passando por tudo novamente. Só que com minha caçula o Rubicão chegou um pouco antes, aos 8 anos e meio. É incrível ver minhas filhas mergulhando nesse tempo de introspecção. A mais velha já viveu e a caçula ainda vive uma transformação, fundamental para o desenvolvimento de ambas. Quando ultrapassam essa fase, estão fortalecidas com outra vitalidade no olhar.

 Não é à toa que a Pedagogia Waldorf propõe um desafio às crianças aos 9 anos. No currículo escolar do terceiro ano, os alunos constroem uma casa em miniatura. Ela pode ser de madeira, barro, isopor. Deve ser feita manualmente assim como os móveis e demais utensílios. Eu utilizo esse recurso também no consultório para ajudar as crianças a passarem por este momento. O que acontece simbolicamente é que o Eu desta criança está encontrando seu caminho e construir essa casa com a ajuda dos pais dá a ela o suporte de que precisa.

Além da construção da casa, utilizo também um jogo para auxiliar as crianças nessa fase: o Ludo. O jogo é mais rápido que a confecção de uma casa, permite que seja iniciado e terminado durante uma sessão, e também é muito potente. A criança percorre o caminho no tabuleiro até chegar a sua “casa” no jogo.

Às vezes as crianças nos surpreendem e elas mesmas nos sugerem algo. O caminho que a minha filha caçula encontrou para enfrentar esse momento de transição foi construir um carro, com a ajuda do pai. Primeiro eles fizeram um de papelão que ficou incrível. Agora trabalham com afinco na construção de um de madeira.

Escrevendo esse texto entendi perfeitamente a escolha da minha mais nova. A forma que ela encontrou pra fazer esse caminho dos 9 anos foi montar um carro. Carro que vai ajudá-la literalmente a passar para o outro lado da ponte. A percorrer esse caminho da infância para a adolescência.


0

Que tipo de brinquedo você compra para as crianças?

medo IMG_2642

Que tipo de brinquedo você compra para seus filhos, sobrinhos, netos! Aqueles super prontos, em que a criança precisa apenas apertar um botão para que tudo aconteça ou brinquedos mais simples. Leia esse comentário em relação a uma boneca: “Pode-se fazer para uma criança uma boneca com um guardanapo dobrado: duas pontas serão os braços, as outras duas as pernas, um nó servirá para a cabeça na qual algumas manchas de tinta indicam os olhos, o nariz e a boca. Também se pode comprar uma “linda” boneca, com cabelos genuínos e bochechas pintadas, e dá-la à criança… Tendo à frente o guardanapo dobrado, a criança deve acrescentar, pela fantasia, aquilo que o transforma em figura humana… Se a criança ganha a chamada “linda boneca”, nada resta ao cérebro para fazer, e este se atrofia e resseca em vez de desabrochar. Se os pais pudessem olhar, como pode fazê-lo o pesquisador espiritual, para dentro do cérebro empenhado em estruturar suas próprias formas, com toda certeza só dariam a seus filhos brinquedos suscetíveis de avivar as forças plasmadoras do cérebro. Todos os brinquedos que possuem apenas formas mortas e matemáticas ressecam e destroem as forças plasmadoras da criança, enquanto tudo que faz surgir a ideia da vida atua de maneira sadia. A nossa época materialista produz poucos bons brinquedos.” Rudolf Steiner.

Leiam mais sobre brinquedos e brincadeiras no link: http://falandodainfancia.com.br/2016/10/12/dia-das-criancas-brinquedos-e-brincadeiras/


0

Vamos falar de inclusão?

IMG_6496

Esse é relato de uma amiga querida que se deparou com um grande desafio na alimentação do seu filho quando ele ainda era muito criança. A adaptação não foi fácil, mas com o tempo todos saíram ganhando!

“Meu nome é Elisete e sou mãe do Gabriel que tem 10 anos. Quando ele tinha 2 anos desenvolveu uma diarréia crônica e muita dor abdominal, os médicos descobriram que ele tinha doença celíaca, o que significa o intestino dele é incapaz de digerir o glúten. Na hora comecei a pesquisar sobre a dieta já que não tem remédio e nem cura. Foi aí que minha vida mudou e a dele também, pra melhor, é claro! Pois a partir de então ele passou a comer coisas que não faziam mais mal. Em casa fiz uma faxina e proibi esse tal glúten de entrar em casa, já que existe o risco de contaminação cruzada (transferência de partículas de glúten de um alimento para outro do plantio à manipulação dos alimentos). Para nós, o glúten é veneno e por isso deve ficar bem longe do Gabriel. Avisei a família e a escola. Ninguém conhecia essa doença, então sempre explicava com toda paciência do mundo. Em casa foi muito fácil a adaptação. O complicado mesmo era na escola e nas festas de aniversário, pois ele não podia comer nada ou porque continua glúten ou porque havia o risco da contaminhação cruzada. Aí fui me especializando na cozinha, aprendi a fazer várias receitas pra ele. Hoje, em todo aniversário eu levo o kit festa( guloseimas que muitas crianças gostam como, pirulitos, balas, paçoca). Na minha família, eu virei a boleira, sempre faço os bolos que são muito elogiados. Gosto de ver o Gabriel comendo junto com outras pessoas e se sentindo normal. Na escola, sempre levei bolos inteiros para serem divididos, faço a inclusão e aproveito para explicar um pouco sobre essa doença. Várias vezes me senti feliz e emocionada! Uma dia Gabriel chegou em casa com aquelas sacolinhas surpresas de aniversário e a dele era especial. Olha que gracinha, o amigo falou dele pra mãe que providenciou uma sacolinha especial, depois dessa foram várias outras sacolinhas especiais.” Elisete da Silva Leite

 


0

O Livro da Gentileza

16195929_1831545997117486_3652184211198007530_n

 

Enquanto a chuva “gentilmente” cai lá fora, nos proporcionando um clima fresco e molhando as plantas do jardim, quero compartilhar esta dica especial de leitura para os pequenos:
O Livro da Gentileza de Luciana Betti, que trás de forma lúdica e poética este gesto tão nobre e transformador que é ser gentil!

” … Grandes feitos, com certeza, causam um impacto profundo. Mas, os atos de gentileza é que podem mudar o mundo.”

*trecho retirado do livro

Boa Leitura!


0

Ideias para as últimas semanas de Férias

images

 

Já estamos nas últimas semanas de férias, imagino o quanto as crianças já aproveitaram! Passeios, brincadeiras, jogos, cinema…

Será que ainda restam ideias para divertir a criançada?

Sempre falo sobre a importância de diminuir o contato das crianças com os eletrônicos (TV, video games, tablets, celulares, etc). Quando há exagero, a criança perde a oportunidade de desfrutar da natureza e se divertir com as brincadeiras que são tão importantes para o desenvolvimento infantil.

Entretanto, quando diminuímos os eletrônicos precisamos ofertar outras possibilidades para que os pequenos não fiquem entediados. E foi por isso que pensei em compartilhar algumas sugestões para este finalzinho de férias. Fazemos sempre aqui em casa e as crianças adoram! A ideia é resgatar as várias brincadeiras que estão em nossas memórias, da época em que fomos crianças.

Seguem duas sugestões de como tudo pode começar:

1- Recorte vários papéis e escreva em cada um deles o nome de uma brincadeira. Depois pegue as bexigas e coloque um papel em cada uma e encha de ar. A criança escolhe uma das bexigas e quando estourar, começa a brincar com a sugestão que aparecer!

2- Como não são todas as crianças que gostam de estourar bexigas, outra ideia é construir com os pequenos uma caixa que pode ser chamada de Caixa da Diversão, Caixa de Brincadeiras ou Caixa de Ideia. Enfim, podemos dar vários nomes! O importante aqui é construir esta caixa com a criança, decorar com pintura, enfeites, brilhos, imagens. Dentro dela coloque os papéis e faça o sorteio.

Estas duas alternativas são uma forma de fazer a criança se envolver com o processo e tornar o momento da brincadeira ainda mais especial.

E o que escrever nos papéis? Vamos relembrar a nossa infância!

Escrevendo este texto fiz este exercício, é fantástico! Olhem o que resgatei, pode servir de sugestões:

Corrida do saco

Pular corda

Brincadeiras de roda

Brincadeiras com bola (brincar de Alerta)

Passa anel

Detetive de papel

Elefante colorido

Fazer pinturas em uma tela

Corrida do Ovo

Amarelinha

Brincar de mímicas (adivinhar filmes ou músicas)

 

Poderia listar muitas outras brincadeiras, mas daria um texto só para isto!

As crianças gostam de conhecer as histórias de quando éramos pequenos, isso os preenche com uma sensação de pertencimento, contribui para a história do “eu” desta criança.

Além disso, estamos mais uma vez falando em construir doces lembranças na vida de nossos filhos, memórias que servirão de base para um adulto criativo e com autoestima positiva.

E o essencial! A vivência do momento PRESENTE rico em afeto e diversão. É também uma oportunidade para que nós, adultos, possamos reencontrar a nossa criança interior.

 

Boa diversão!


0

O Livro da Gratidão

 

15578975_1814501208821965_199452108326082102_n

A gratidão é algo mágico, tanto é que dissemos que o “obrigado” faz parte das palavrinhas mágicas que as crianças aprendem desde pequenas.
Como é importante despertar esse sentimento nos pequenos!!!

” Você já pensou que a cera da vela, que ilumina a sua oração, já foi néctar na flor, já voou com as abelhas, veloz pelos ares, já foi mel feito por elas? Obrigado abelha pelo doce do mel e pelo doce da devoção.”

Trecho retirado de um lindo livro: O livro da Gratidão de Luciana Betti, uma excelente dica de leitura para as crianças!