Hoje, temos uma convidada muito especial por aqui: A Fisioterapeuta, especializada em cuidados infantis, Fátima Cechinel que, gentilmente nos conta sobre um problema recorrente na vida de muitos pequenos: A Escoliose!

Pediatrician examining little girl with back problems.

Muitos problemas da fase adulta podem ser prevenidos e tratados na infância e na adolescência. Por isso precisamos estar atentos às mudanças corporais das nossas crianças.

As fases da infância e adolescência correspondem àquelas em que os jovens frequentam o ambiente escolar, no qual permanecem longos períodos sentados, normalmente em uma postura inadequada e, na maioria das vezes, em mobiliários inadequados que, somados à tendência de um estilo de vida sedentário adotado na fase escolar, podem também favorecer o surgimento das alterações posturais entre elas a ESCOLIOSE.

A escoliose é a curvatura lateral da coluna vertebral, que pode ser única ou múltipla e fixa (devido à deformidade muscular) ou móvel (devido à contração muscular desigual). Existem várias causas, tipos e classificações, porém, a mais frequente é a Idiopática (de causa desconhecida). As curvas tendem a progredir rapidamente durante o estirão de crescimento.

O tratamento pode ser conservador, incluindo órteses e exercícios ou cirúrgico.

Sabemos que as crianças são incapazes de reconhecer a necessidade de modificarem a postura por isso precisamos da colaboração dessas crianças para sucesso do tratamento.

As alterações posturais que as escolioses provocam podem influenciar a saúde emocional dessas crianças quando atingirem a adolescência ou a fase adulta, as vezes privando de usar alguma roupas que marquem um pouco mais o corpo ou até mesmo de frequentar determinados ambientes.

Um teste simples ajudará a identificar se seu filho tem escoliose

Coloque a criança em pé, de costas para você. Peça para ela juntar os pés e se inclinar para frente, com os braços soltos ao longo do corpo. Observe atentamente a simetria dos dois lados das costas: ambos devem ter a mesma altura, tanto na lombar como na torácica. Se um dos lados for mais alto que o outro, a diferença pode ser indício de uma escoliose em formação.

Não fique com duvidas se seu filho tem ou não. Consulte um fisioterapeuta ou Pediatra.

Fisioterapeuta: Fatima Minucelli Cechinel Martins

Crefito: 86782F